Trago seu homem em 3 dias!

Quando comecei este blog, recebi algumas críticas em relação ao nome “Tarô da Rô”. O que para mim parecia uma rima divertida, para alguns soava mais como “Tarô da Mãe Xoxô, trago seu homem de volta em 3 dias”. Aceitei as sugestões de colocar meu nome inteiro e a descrição de taróloga. O comentário fez mesmo sentido, porque uma coisa é magia, outra é oráculo.trago seu amor de volta

Pode ser que a magia traga mesmo seu amor mais rápido, mas o tarô, como oráculo, muitas vezes prevê que um novo amor chegará como parte de um novo ciclo, naturalmente, sem precisar passar o café na cueca do sujeito, ou escrever o nome do coitado num papel e depois colocar no congelador para conquistá-lo*.

Muita gente fica louca para que tenha uma boa notícia na área amorosa, mas às vezes o ciclo da pessoa indica uma fase de maior atenção para outras questões, como trabalho, dinheiro, estabilidade. Depois de resolvidas as prioridades da vida, o caminho fica mais livre para chegar alguém novo.

O curioso que tenho reparado é que, quando o tarô fala de cara que a pessoa vai se apaixonar, ela geralmente duvida. Foi um dos casos que atendi, em que a consulente estava num relacionamento que não levava a nada. Quando veio a previsão de um novo amor, ela disse: “Impossível! Estou com o fulano há sete anos e duvido que vai aparecer alguém novo”. E um ano depois voltou toda contente, contando como conheceu um novo “rei de copas” quando menos esperava e que estava totalmente apaixonada.

Outra cliente gramava há muito tempo num casamento que já tinha perdido o brilho há anos. Consultou o tarô de tempos em tempos, durante uns dois anos, para saber se podia se separar, mas o tarô durão não dava chance. Um dia, finalmente o céu se abriu para ela e foi dada a permissão oracular para a separação, indicando que logo iria conhecer um novo amor e entrar num relacionamento sério. E ela falou “Como assim? Já vou conhecer outro? Difícil…”. Dito e feito.star wars lovers

Mas essa questão de duvidar tem uma certa explicação. Às vezes a pessoa passa por tanta fase difícil, que quando vem uma notícia boa nem acredita. Me lembra até um filme do Woody Allen no qual a mulher vai numa cartomante que só fala coisas maravilhosas para ela. Desesperada, essa mesma mulher vai reclamar para Woody, que fala que em vez de cartomante ela precisava mesmo era de uma boa terapia, porque não conseguia acreditar de jeito nenhum que coisas boas estavam no seu horizonte.

Mas se é via tarô, magia ou simplesmente vida, o ponto é que não importa de onde venha o sinal de bons ventos. Quando vem, receba de coração. Porque não há melhor antídoto para esse mundo maluco que o amor – faz até aquele “Bom Dia Brasil” que te faz arrancar todos os cabelos já na hora do café ficar inofensivo.

* Meu blog acredita em direitos iguais entre homens e mulheres, sem preconceitos. Para fins práticos escrevi no masculino, mas entendam que todo mundo quer saber de todo mundo: homem de mulher, homem de homem, mulher de homem e mulher de mulher.

Tarô sem trauma

Tem gente que pensa que vida de taróloga é assim: de cinco em cinco minutos checando o tarô para confirmar pequenas coisas, ver o que vai acontecer, ou até mesmo substituir mãe no quesito “vai fazer frio? saio de casaco hoje?”. Housewives_Tarot_8Isto porque mãe já sai falando para levar o casaco, mesmo num verão insuportável (como o novo vagão do metrô hoje em dia parece mais um frigorífico, tenho que concordar que casaco é sempre uma boa).

Mas voltando ao assunto tarô e futilidades. Por incrível que pareça, várias pessoas próximas pedem para ler pequenas coisas (porque obviamente já fizeram uma Mandala completa), mas eu – e algumas tarólogas que conheço – quase nunca consultamos o tarô para si mesmas. Mais fácil se consultar com uma colega e ter uma previsão decente, do que abrir um jogo e interpretar loucamente o tarô de acordo com o que quero que aconteça.

Teve uma época que estava estudando para concursos públicos, e lá ia eu: “Vou passar nesta prova?”. Sempre dava uma resposta positiva. A essa altura do campeonato, pelo meu tarô eu já poderia estar assessorando o presidente. Mas isso quer dizer que não funciona? Claro que não! Quer dizer que quando você está emocionalmente ligado ao problema, melhor pedir para outro profissional responder sua pergunta. Como no caso de um cirurgião que não opera o próprio filho, mas pede a um outro colega muito bom para fazer a tal cirurgia.housewives-queen-of-wands.jpg

E você me pergunta: então você NUNCA checa nada com seu tarô? Sim, mas raramente. E é aí que começa nossa estória de hoje… Como meu blog é ainda um bebê de três meses, saio por aí fazendo uma certa propaganda com conhecidos e desconhecidos. E foi numa dessas que me deparei com uma querida profissional da área da saúde que me perguntou “Então você é taróloga? Minha mãe também tira tarô.”

Eu respondi: “Ah, é, que legal! Você deve perguntar tudo pra ela, né?” E veio a resposta… “Não! Nunca tirei tarô com ninguém. Você acredita que quando eu era garota e namorava, uma vez cheguei bem tarde em casa, para dar de cara com a minha mãe, bem brava, com o tarô na mão.

housewives-03043A mãe já estava sentada em frente à mesa da cozinha, esperando ela chegar. Quando ela pisou em casa, a mãe já estava embaralhando o tarô e num tom seco, só falou: “Senta aqui agora, e tira três cartas!”. A coitada sentou, puxou três cartas do baralho. A mãe fez o jogo, olhou com a cara bem feia e por fim disse: “Era só isso que eu queria saber!”. E passou dias sem falar com ela!

Eu perguntei se ela tinha mesmo aprontado, e com um sorriso alegre respondeu: “Claro que sim!”. Enfim, pensei que ela estava muito traumatizada, mas adorou a ideia de eu tirar uma mandala pra ela.

Tirei mais do que o jogo de mandala. Tirei um trauma!

Impeachment Caseiro

Gallery

This gallery contains 5 photos.

Como não poderia ignorar o que acontece hoje (em alguns países do mundo que conhecemos…) que enfrentam a possibilidade de seus presidentes tomarem um “rá-ré-rí-ró-rua!”, falemos um pouco de quando você pergunta ao tarô se é a hora de entrar com um processo de impeachment caseiro… mais conhecido como divórcio. Continue reading